> > >

terça-feira, 19 de abril de 2011

ROLOS DO MAR MORTO SERÃO VISÍVEIS NA INTERNET



Voltar ao Índice

Rolos do Mar Morto serão visualizáveis na Internet

Posted: 17 Apr 2011 05:24 AM PDT


A Autoridade de Antiguidades de Israel anunciou que os milenares documentos de Qumran, perto do Mar Morto, serão digitalizados em altíssima resolução e disponibilizados ao público via Internet.

O trabalho já começou envolvendo 900 rolos divididos em mais de 30.000 fragmentos. A arqueóloga israelense Pnina Schorr, que preside os trabalhos, sublinhou em entrevista a “La Nación” de Buenos Aires que a parte mais importante dos misteriosos e polêmicos documentos é integrada por Sagradas Escrituras escritas há 2000 anos.

Portanto, deduz-se facilmente que são de uma época em que o judaísmo não tinha rompido a fidelidade ao chamado divino, ruptura operada com a Crucifixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Os documentos são da maior importância para a Igreja Católica depositária da Revelação Divina.

Mas podem ter efeitos explosivos no judaísmo se, como já fazem muitos outros documentos da Antiguidade, confirmam ser Nosso Senhor o verdadeiro Messias aguardado pelos Patriarcas e pelos Profetas.

Também poderiam causar um abalo profundo no islamismo desmentido as invenções do Alcorão a suas contrafações da Bíblia.

Porém, a animadversão islâmica para tudo quanto é raciocinado e equilibrado pode levá-los a recusar estas descobertas sem outros argumentos que o menosprezo ou a cólera.

Além de livros da Bíblia, os 900 manuscritos incluem também apócrifos diversos e relatos da comunidade dos essênios que vivia em Qumran. Esta comunidade suscita muito interesse.


Especialista digital analisa fragmentos de manuscrito do Mar Morto
Segundo alguns, foi composta por fiéis descontentes com a deformação da religião judaica por parte do Sinédrio. Alguns especulam até que São João Batista freqüentou os essênios e até que Nosso senhor quando se retirou ao deserto esteve com eles, malgrado a própria comunidade tal vez estivesse decadente naquele tempo.

A visualização no computador, entretanto só será inteligível para os especialistas posto o estado dos documentos, a língua e a caligrafia com que estão escritos.

Até o momento não mais de 300 especialistas do mundo todo os conhecem inteiramente. Nisto pesou o fato de serem sumamente sensíveis ao manuseio e à luz, em virtude de sua antiguidade.

Serão exibidos por Google e muitos outros poderão vê-los e analisá-los, fornecendo novas hipóteses ou conclusões. Schorr julga que aparecerão traduções, comentários inovadores dos investigadores, nova bibliografia.


As reproduções segundo a arqueóloga Pnina Schorr serão de altíssima qualidade, idênticas aos originais, e estarão abertas ao público todo online.

Acresce que não serão fotografias comuns, mas também “espectrais” que vão além do infravermelho permitindo descobrir detalhes que o olho humano não capta. A utilidade destas tecnologias já ficou demonstrada com o Santo Sudário de Turim, revelando surpreendentes dados.

De tal maneira, as descobertas arqueológicas têm confirmado as Escrituras canônicas que o anúncio não suscita a mais mínima apreensão no ambiente católico.

Pelo contrário, é uma noticia auspiciosa que permite entrever novas confirmações da veracidade da Igreja e dos Livros Sagrados. Em ambientes não católicos pode ser que as descobertas causem consternação e confusão.







Voltar ao Índice

2 comentários:

Joao Robalo disse...

Como se alguns Evangelhos nao canonicos nao fossem tambem explosivos para a igreja....

Detona ai o judaismo diz a Igreja, que nos fazemos po ignorar os outros evangelhos

OSWALDO disse...

Joao Robalo disse... "Como se alguns Evangelhos nao canonicos nao fossem tambem explosivos para a igreja... Detona ai o judaismo diz a Igreja, que nos fazemos po ignorar os outros evangelhos"
___________________________

Os não canônicos são apócrifos, sendo que alguns foram introduzidos furtivamente pelos gnósticos e outros e outros até servem como documentos históricos; os priemiro são mentirosos e os demais, apenas não inspirados.

Somente uma autoridade inspirada (que é a Igreja) pode discernir quais livros são ou não inspirados.